A Voz do Povo do Oeste

Motociclista morre após ser atingida por carro em racha e que avançou preferencial, diz polícia; VÍDEO

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email


Acidente aconteceu na madrugada de segunda-feira (22), em Fazenda Rio Grande, na Região Metropolitana de Curitiba. Família de Lilian de Lima Pinheiro, de 36 anos, pede por Justiça. Mulher morre em Fazenda Rio Grande após ser arremessada de moto em acidente
A Polícia Civil de Fazenda Rio Grande, Região Metropolitana de Curitiba, investiga a morte da motociclista Lilian de Lima Pinheiro, de 36 anos, atingida por um carro que avançou a preferencial. Ninguém foi preso.
De acordo com a polícia, o motorista causador do acidente não ficou para prestar socorro e o inquérito policial aponta que ele praticava um racha.
Imagens de uma câmera de monitoramento mostram o momento do acidente, que aconteceu no madrugada de segunda-feira (22).
Dois carros em alta velocidade e, conforme a polícia, em um racha, estão na Av. Miranga e cruzam a preferencial, atingido a motociclista que trafegava pela Rua Francisco Claudino dos Santos. Assista ao vídeo mais acima.
Após o acidente, o motorista do carro preto, que atinge a motociclista, abandona o veículo e foge do local, segundo as investigações. Enquanto o condutor do carro branco vê o acidente e vai embora, também sem prestar socorro, de acordo com a polícia.
Motoristas são flagrados disputando racha no Centro Cívico, em Curitiba, diz Guarda Municipal
Momento em que carro atinge motociclista
Reprodução
Conforme o delegado responsável pelo caso, Ademair Braga, os dois motoristas foram ouvidos na delegacia e preferiram o silêncio.
O motorista do carro preto será indiciado pela prática de racha, omissão de socorro e homicídio doloso, quando se assume o risco de matar. O condutor do outro veículo será indiciado pela prática de racha e omissão de socorro.
Lilian retornava de uma viagem a Aparecida (SP) quando foi atingida
Arquivo Pessoal
Família quer justiça
Lilian retornava de uma excursão para Aparecida, em São Paulo, quando foi atingida pelo carro. A filha Ariane de Barros, que está grávida, afirmou que a sensação é de impotência.
“A única coisa que eu consegui fazer foi gritar, para ver se tirava um pouco o peso daquela dor. É muito triste perder uma mãe assim tão jovem”, lamentou.
A irmã de Lilian, Fabiana Pinheiro, quer respostas da Justiça.
“Que não seja mais um atropelamento, mais uma vítima, mais um número. Quem fez isso, tem que ter isso no histórico, para olhar para trás e ver que matou uma pessoa”, falou.
O advogado da família de Lilian, Igor José Ogar, disse estar claro o crime de homicídio doloso, quando se assume o risco de matar.
“Entendemos o cometimento de vários crimes, entre os quais o homicídio doloso, onde, agindo daquele modo, o motorista assumiu o risco de produzir o resultado morte de outra pessoa.
Até a publicação desta reportagem, as defesas dos motoristas envolvidos no caso não foram localizadas.
Assista aos vídeos mais acessados do g1 PR
Veja mais notícias do estado no G1 Paraná.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email
Redação A Voz do Povo Do Oeste

Redação A Voz do Povo Do Oeste

Notícias que talvez Você Goste

Rolar para cima