A Voz do Povo do Oeste

‘estou-cagando-se-o-senhor-esta-se-ofendendo’,-diz-promotor-a-advogado-durante-juri-em-curitiba

‘Estou cagando se o senhor está se ofendendo’, diz promotor a advogado durante júri em Curitiba

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email


Advogado tinha dito que estava ofendido com a argumentação do promotor João Milton Salles. Para OAB-PR, comportamento mostra ‘desprezo à advocacia’. MP-PR informou que abriu uma sindicância para apurar o caso. “Eu estou cagando se o senhor está se ofendendo”, diz promotor a advogado
Um promotor do Ministério Público do Paraná (MP-PR) disse que estava “cagando” se o advogado de defesa estava ofendido com o que ele tinha dito durante a sustentação oral da acusação no Tribunal do Júri de Curitiba. Veja o vídeo acima.
O caso aconteceu na terça-feira (19), durante um julgamento em que um acusado de homicídio foi absolvido pelos jurados.
A discussão aconteceu após o promotor de Justiça João Milton Salles mencionar que uma tese da defesa “não satisfez” e o advogado Luis Gustavo Janiszewski dizer que estava se sentindo ofendido com a manifestação.
“Doutor, eu estou cagando se o senhor está se ofendendo”, disse o promotor.
Promotor João Milton Salles disse que estava ‘cagando’ se advogado tinha se sentido ofendido
Reprodução
Na sequência, após o advogado reclamar do palavreado do membro do Ministério Público, Salles justificou que este era o vocabulário dele.
“Garantir os direitos individuais e disponíveis da sociedade. É com esse valor que eu vou para as casas todos os dias. Inclusive o direito de réu. Então se eu falo um palavrão, uma gíria, é a mesma roupa que eu uso aqui, tirando essa beca, é a que eu uso na rua”, disse.
O g1 tenta contato com o promotor João Milton Salles.
O Ministério Público do Paraná informou que a Corregedoria-Geral do órgão instaurou uma sindicância para apurar os fatos.
OAB repudia fala de promotor
A Ordem dos Advogados do Brasil no Paraná (OAB-PR) afirmou que considera o comportamento do representante do Ministério Público “um desprezo à atividade da advocacia”.
“A OAB defende a plena liberdade de manifestação e de argumentação no Tribunal do Júri, reconhecendo a inviolabilidade das manifestações tanto do MP como da advocacia, asseguradas por lei, no entanto, lembra que é dever do representante do Ministério Público, ‘tratar com urbanidade as pessoas com as quais se relacione em razão do serviço’”, disse em nota.
Associação Nacional das Advogadas e Advogados do Júri também repudiou a fala.
“Por mais aguerridos que sejam os debates – e é assim que devem ser – a combatividade dos oradores não pode ser subterfúgio para vitupérios que conspurcam a solenidade do ato”, informou.
VÍDEOS: Mais assistidos do g1 PR
Veja mais notícias da região em g1 Paraná

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email
Redação A Voz do Povo Do Oeste

Redação A Voz do Povo Do Oeste

Notícias que talvez Você Goste

Rolar para cima