A Voz do Povo do Oeste

vereador-e-ex-assessores-sao-indiciados-por-estelionato-em-investigacao-de-esquema-para-furar-fila-do-sus,-em-cascavel

Vereador e ex-assessores são indiciados por estelionato em investigação de esquema para furar fila do SUS, em Cascavel

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email


Jeovane José Machado, Jorge Bocasanta e Izaqueu da Silva também responderão por associação criminosa e concussão, quando um funcionário público usa do cargo para se beneficiar. O G1 tenta contato com as defesas. Vereador foi indiciado por crime de estelionato, associação criminosa e concussão
Divulgação/Câmara Municipal de Cascavel
A Polícia Civil indiciou um vereador de Cascavel, no oeste do Paraná, e dois ex-assessores pelos crimes de estelionato, associação criminosa e concussão, quando um funcionário público usa do cargo para se beneficiar, em uma investigação que apura um esquema para furar a fila do Sistema Único de Saúde (SUS).
O inquérito foi concluído na quinta-feira (24) e encaminhado ao Ministério Público do Paraná (MP-PR), que poderá ou não apresentar denúncia à Justiça.
O vereador Jorge Bocasanta (Patriota), que também é médico, e os ex-assessores Jeovane José Machado, conhecido como Ganso Sem Limites, e Izaqueu da Silva são suspeitos de receber dinheiro de pacientes que aguardam cirurgia na fila do SUS para agilizar a realização dos procedimentos.
O G1 tenta contato com as defesas dos envolvidos.
De acordo com a Polícia Civil, Jeovane Machado, que é ex-vereador na cidade, responderá também por coação no curso do processo. Ele foi preso em 15 de dezembro suspeito de coagir testemunhas da investigação.
O suspeitos podem ser condenados até 25 anos de prisão em caso de pena máxima, informou a polícia.
Na conclusão do inquérito, o delegado Rogerson Salgado, responsável pelo caso, afirmou que é evidente a intenção e consciência dos envolvidos na prática dos crimes.
Além da cobrança de valores indevidos, os indiciados também operavam com a troca de favores políticos, segundo o delegado.
Uma testemunha também foi indiciada no processo. Ela responderá por falso testemunho, o crime de mentir para a polícia em depoimento, com pena máxima de quatro anos.
Entenda o caso
A investigação começou em agosto deste ano, quando a Polícia Civil prendeu o ex-assessor Izaqueu da Silva em flagrante.
Na ocasião, a polícia o encontrou com R$ 1 mil que foram entregues por uma mulher que passou por cirurgia com o médico e vereador Jorge Bocasanta pelo SUS.
Silva trabalhava como assessor do parlamentar na Câmara de Vereadores, assim como Jeovane José Machado, e foi exonerado após a prisão.
Jeovane permanece detido, enquanto o vereador Jorge Bocasanta e o ex-assessor Izaqueu estão em liberdade.
Conforme o documento da conclusão do inquérito, a associação funcionava com divisão de tarefas, sendo Jorge Bocasanta o responsável pela realização da cirurgia, e Izaqueu e Jeovane os responsáveis pelo contato com pacientes e familiares e pela cobrança indevida.
Ainda segundo o documento, os indiciados também fraudaram documentos e prontuários médicos.
VÍDEOS: Paraná
Veja mais notícias da região em G1 Oeste e Sudoeste.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email
Redação A Voz do Povo Do Oeste

Redação A Voz do Povo Do Oeste

Notícias que talvez Você Goste

Rolar para cima