A Voz do Povo do Oeste

testes-da-ultima-fase-da-vacina-sputnik-v-no-parana-nao-devem-acontecer-antes-de-fevereiro,-diz-relatorio-da-alep

Testes da última fase da vacina Sputnik V no Paraná não devem acontecer antes de fevereiro, diz relatório da Alep

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email


Em setembro, governo do Paraná informou que a previsão era começar testes ainda em outubro. Segundo o documento, estratégia foi revista por Fundo de Investimento Russo. Ratinho Junior afirmou data será definida pela Anvisa e que não quer transformar assunto em ‘propaganda eleitoral’. ‘Não vou fazer do Paraná um povo cobaia’, diz governador sobre vacina contra Covid-19
Os testes da fase 3 da vacina russa Sputnik V não devem acontecer antes de fevereiro no Paraná, segundo um relatório da frente parlamentar da Assembleia Legislativa do estado (Alep) que acompanha a pandemia do novo coronavírus.
Em agosto, o governo do Paraná assinou um convênio com a Rússia para transferência de tecnologia e produção da vacina pelo Instituto de Tecnologia do Paraná (Tecpar). Em setembro, o laboratório paranaense informou que planejava iniciar os testes ainda em outubro.
A vacinação contra a Covid-19 já começou no Reino Unido e Estados Unidos. No Brasil nenhuma vacina foi autorizada para aplicação pela Anvisa.
CORONAVÍRUS NO PARANÁ: Veja as principais notícias
Segundo o relatório, as informações foram repassadas pela diretoria do Tecpar aos deputados da frente parlamentar.
De acordo com o documento, o plano de testes no Paraná foi revisto pelo Fundo Direto de Investimento Russo após a formalização de uma parceria com uma indústria farmacêutica privada.
Segundo relatório, estratégia foi revista por fundo russo, e Paraná estuda deixar parceria
Giuliano Gomes/PR Press
Com a mudança de planos, segundo o relatório, o governo do Paraná está reavaliando se continua no projeto de desenvolvimento dos imunizantes russos no Brasil.
Sputnik V protegeu todos os vacinados de casos graves de Covid-19 em ensaios, diz Rússia
“O indicativo é que o fundo russo está redimensionando o projeto com outros parceiros (um parceiro que terá a função científica, outro com a função de produção e outro comercial). Neste momento, o fundo russo está avaliando qual a função de cada parceiro, e o Governo do Estado irá avaliar se será pertinente a continuidade da parceria”, diz o documento.
O relatório diz também que o Tecpar não tem estrutura física para produção de doses no parque tecnológico.
O documento diz que seria necessária a construção de uma nova planta com estimativa de custo de R$ 1,2 bilhão. O relatório diz que um anteprojeto para construção do parque foi protocolado no Ministério da Saúde para buscar os recursos.
Em agosto, o presidente do Tecpar, Jorge Callado, afirmou que o instituto seria responsável por todos os processos, desde o desenvolvimento até a produção e distribuição da vacina russa, e que a imunização poderia começar a ser feita no segundo semestre de 2021.
Liberação para testes
Segundo o governo do Paraná, a perspectiva de realizar a terceira fase dos estudos clínicos no Paraná está mantida.
O governador Ratinho Junior (PSD) afirmou nesta terça-feira (15) que a data para realização da última fase de testes, se o laboratório paranaense continuar no projeto, será definida pela Anvisa.
“Eu não quero ter a irresponsabilidade de colocar uma data. Quem coloca data é o corpo cientifico e a Anvisa. O que nos queremos colaborar com o Brasil é ter mais essa opção. Eu espero que seja o quanto antes, mas quem diz isso é a ciência”, disse.
O governador afirmou que não pretende fazer da discussão da vacina um “programa eleitoral” e que “a polarização da doença não é saudável para a população”
“As pessoas não querem mais essa politização. Eu não acho que é correto vir a frente e dizer que dia vai ser vacinado, quem vai ser vacinado e qual laboratório que vai vacinar. Isso é uma responsabilidade do Ministério da Saúde”, disse.
Na segunda-feira (14), o governador de Goiás, Ronaldo Caiado, disse que João Doria (PSDB), governador de São Paulo, usa a vacina contra Covid-19 para ter apoio nas eleições de 2022.
De acordo com Ratinho, é preciso trabalhar com “três ou quatro alternativas” de vacinas para dar conta da demanda brasileira.
“É Ilusão e até mesmo irresponsabilidade criar falsa expectativa para a população do Brasil achar que um, apenas um, consiga fazer a produção mundial para a população do planeta”, afirmou.
VÍDEOS: Vacina contra a Covid-19 no Paraná
Veja mais notícias da região em G1 Paraná

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email
Redação A Voz do Povo Do Oeste

Redação A Voz do Povo Do Oeste

Notícias que talvez Você Goste

Rolar para cima