A Voz do Povo do Oeste

visa-e-mastercard-podem-romper-com-pornhub-apos-videos-de-pornografia-infantil

Visa e Mastercard podem romper com Pornhub após vídeos de pornografia infantil

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

As empresas de cartões de crédito Mastercard e Visa anunciaram nesta segunda-feira (7) que estão examinando sua relação com o site pornográfico Pornhub, depois que o The New York Times noticiou a presença de vídeos de pornografia infantil e abusos na plataforma.

As duas companhias alegaram que, se for confirmado que o site infringe a lei, elas cortarão seus laços com a MindGeek, empresa responsável pelo Pornhub e plataformas semelhantes como Youporn e Redtube.

A saída da Mastercard e da Visa impediria o pagamento de anúncios nesses sites e das assinaturas pelos usuários de seus serviços premium.

“Investigamos as denúncias publicadas no The New York Times e estamos trabalhando com o banco da MindGeek para entender essa situação e outras medidas tomadas pela empresa”, disse a Mastercard em mensagem recebida nesta pela AFP.

“Se as acusações forem comprovadas, providências serão tomadas imediatamente”, acrescentou a Mastercard.

A Visa afirmou, por sua vez, que “tem conhecimento” das alegações do Times e entrou em contato com “as instituições financeiras competentes para investigar” o caso. O grupo também se comunicou diretamente com a MindGeek.

Se as denúncias forem confirmadas, a empresa de pornografia não poderá usar os serviços Visa para receber dinheiro de seus clientes, informou a companhia de cartões.

O artigo do The New York Times explica que “a grande maioria dos 6,8 milhões de novos vídeos postados no site (Pornhub) a cada ano provavelmente envolve adultos consensuais”.

Porém, de acordo com o jornal americano, muitos incluem “o abuso de crianças e violência não consensual”.

O Pornhub, que tem sede física na cidade canadense de Montreal e fiscal em Luxemburgo, rejeitou as acusações do jornal.

Em comunicado enviado à AFP, o grupo disse que tem “tolerância zero” com conteúdos que mostrem abuso sexual de menores e que desenvolveu ferramentas para “identificar e erradicar” esse tipo de vídeo.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email
Redação A Voz do Povo Do Oeste

Redação A Voz do Povo Do Oeste

Notícias que talvez Você Goste

Rolar para cima