A Voz do Povo do Oeste

Vereadora é suspeita de criar empresa fantasma com nome de empregada, diz Gaeco

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email

O Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) cumpriu quatro mandados de busca e apreensão, nesta terça-feira (8), em Entre Rios do Oeste, no oeste do Paraná, para investigar a vereadora da cidade, Alessandra Caetano Lupges (PL), de 43 anos.

Segundo o Gaeco, a suspeita é de que a vereadora e o marido tenham criado uma empresa fantasma, no nome da empregada da família, para participar ilegalmente de licitações da prefeitura.

Conforme o Ministério Público do Paraná (MP-PR), caso a vereadora seja condenada, ela poderá responder por associação criminosa, fraude à licitação, falsidade ideológica e improbidade administrativa. Além de perder os direitos políticos.

A reportagem RPC aguarda retorno da vereadora e do marido investigados pelo Gaeco.

Os mandados foram cumpridos no gabinete da vereadora na Câmara Municipal, na casa de Alessandra e de familiares dela, além da empresa da família. Foram apreendidos documentos, computadores e celulares.

“Agora nós vamos analisar os elementos que foram apreendidos, extrair as provas deles, ouvir os investigados para, provavelmente, encerrar as investigações”, disse o promotor de Justiça João Eduardo Mirais.

Empresa fantasma

A investigação aponta que a empresa fantasma tentou participar de três licitações da Prefeitura de Entre Rios do Oeste.

Os investigados são suspeitos de participar de editais de artigos esportivos, que são materiais vendidos pela empresa verdadeira da família de Alessandra.

Entretanto, o empreendimento familiar verdadeiro não podia participar das licitações porque ela é vereadora, o que iria contra a legislação eleitoral. Por isso, segundo o Gaeco, ela e o marido são suspeitos de criar a falsa empresa.

“A funcionária envolvida no esquema confirmou os fatos. Além disso, indicou uma testemunha que também confirmou os fatos, que verificou um pagamento que a vereadora teria feito para ela sobre a empresa fantasma. Estamos analisando alguns documentos sobre a pessoa jurídica que foram apreendidos em posse dos investigados”, disse o promotor de Justiça.

Segundo o Ministério Público, a empresa fantasma chegou a receber R$ 500 mil em contratos anteriores, mas o Tribunal de Contas do Estado do Paraná (TCE-PR) pediu que a prefeitura reincidisse o contrato por causa dessas irregularidades.

As três licitações investigadas não chegaram até o fim porque, segundo o MP-PR, a Prefeitura de Entre Rios do Oeste suspeitou de alguma ilegalidade e acionou o Gaeco.

A vereadora foi candidata à prefeitura de Entre Rios do Oeste, mas ficou em 3º lugar e não foi eleita na cidade nas eleições municipais.

Portal da Cidade Santa Helena.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email
Redação A Voz do Povo Do Oeste

Redação A Voz do Povo Do Oeste

Notícias que talvez Você Goste

Rolar para cima