A Voz do Povo do Oeste

trt-determina-que-prefeitura-de-guarapuava-afaste-servidores-do-grupo-de-risco-do-trabalho-presencial

TRT determina que Prefeitura de Guarapuava afaste servidores do grupo de risco do trabalho presencial

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email


Conforme a decisão, município alterou a composição do grupo. Sentença prevê multa diária de R$ 5 mil por servidor em caso de descumprimento; prefeitura diz que vai seguir as determinações. TRT determina afastamento de servidores do grupo de risco para a Covid-19
Uma decisão do Tribunal Regional do Trabalho da 9ª Região (TRT9) determinou que a Prefeitura de Guarapuava, na região central do Paraná, afaste do trabalho presencial os trabalhadores do grupo de risco sob pena de multa diária de R$ 5 mil por servidor.
A decisão do desembargador Ney Fernando Olivé Malhadas, da sexta-feira (4), tem prazo de 48 horas para o início do cumprimento. Em nota, o município informou que vai seguir as determinações.
A medida vale para trabalhadores com 60 anos ou mais, gestantes, mães em pós-parto e também aquelas que estão amamentando por causa da pandemia do novo coronavírus.
CORONAVÍRUS NO PARANÁ: Veja as principais notícias
NÚMEROS: Estado passa de 297,5 mil casos da Covid-19
A ação foi movida pelo Ministério Público do Trabalho (MPT) em agosto deste ano após a prefeitura publicar um decreto alterando o grupo de risco.
O município passou a considerar do grupo de risco trabalhadores com 65 anos ou mais, somente grávidas de alto risco, mães em pós-parto e em período de amamentação desde que tivessem avaliação prévia da medicina do trabalho.
A ação foi movida pelo Ministério Público do Trabalho (MPT) em agosto deste ano após a prefeitura publicar um decreto alterando o grupo de risco
Prefeitura de Guarapuava/Divulgação
Na decisão, o desembargador do TRT cita uma nota da Secretaria de Estado da Saúde (Sesa) que considera que estão no grupo de risco idosos com 60 anos ou mais.
“[A alteração] relativizou a necessidade de isolamento social, condicionando-o a juízo clínico e, ainda, autorizou que empregados enquadrados no grupo de risco ‘poderão exercer atividades mediante preenchimento de termo de responsabilidade, análise das informações do médico assistente e prévia avaliação da perícia médica oficial’”, diz trecho da sentença.
Vídeos: Vacinas no Paraná
Veja mais notícias da região no G1 Campos Gerais e Sul.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email
Redação A Voz do Povo Do Oeste

Redação A Voz do Povo Do Oeste

Notícias que talvez Você Goste

Rolar para cima